Câmaras se preparam para doarem duodécimos em combate a vírus

As câmaras municipais de Mato Grosso do Sul estão atentas ao combate da transmissão do novo coronavírus (Covid-19), com 24 casos confirmados em três cidades e outra 14 investigando, o poder Legislativo deve ajudar o Executivo com a doação do duodécimo ou de insumos para saúde.  

Com 22 casos confirmados na Capital o presidente da Câmara Municipal, João Rocha (PSDB), informou que disponibilizou os carros, com gasolina e motoristas para auxuliarem na campanha de vacinação da gripe, além de 500 máscaras.

“Doamos 500 máscaras simples para o atendimento no Parque Ayrton Senna, foram, aproximadamente, R$ 5 mil, mas nós temos limitações para fazer doações, temos recursos para serem aplicados em áreas específicas, mas já pedi para o jurídico para fazer estudo para saber o que podemos mexer dentro da legalidade. Mas estamos vendo a dificuldade em adquirir as máscaras", disse.  

Ainda de acordo com o vereador, os veículos disponibilizados serão usados pela Secretaria Municipal de Saúde Pública (Sesau). "Depois a secretaria vai estabelecer maneiras de vacinar os acamados e os renais crônicos. Hoje (ontem) aprovamos projeto para que o prefeito crie fundo de doações para o combate ao coronavírus”.  

 Na segunda maior cidade do Estado, Dourados, os poderes estão conversando para que medidas sejam adotadas.  O presidente do Legislativo, Alan Guedes (PP), destacou que não tem sobra de duodécimo, mas ainda estão dispostos  a doerem o que tiverem. " Temos mantido diálogo constante com ela (prefeita Délia Razuk). E hoje (ontem) oferecemos essa ajuda. Ela definirá a prioridade, até porque pode já haver algum processo de compra em andamento, e amanhã (hoje) temos uma agenda com ela. Espero que até lá tenhamos a definição. Ano passado nossas devoluções totalizaram quase 7.900.000,00.

Embora nesse momento nossa disponibilidade de caixa seja baixa, nos vamos ajudar sim".

Em Três Lagoas o prefeito Ângelo Guerreiro (PSDB) disse que Legislativo deve devolver R$ 1 milhão do duodécimo.  “O presidente da Câmara de Três Lagoas (André Bitencort) propôs devolver R$ 1 milhão do duodécimo, já colabora muito, essa preocupação é de todos, estamos todos no mesmo barco. É momento de união entre os poderes. Não é tão ruim (para câmara) porque eles vão suspender várias atividades, viagens de parlamentares, água, luz”. Guerreiro disse ainda que está aportando verba de outras secretarias para investir na saúde.  

O presidente da Câmara de Corumbá, Roberto Façanha (PSDB), afirmou que tem R$ 500 guardados para encaminhar ao Executivo caso necessário. "Acredito que no final do mês  de abril já  teremos uma ideia geral da situação.

Já tenho recursos em caixa. Ajudaremos sim. Nossa obrigação neste momento é  economizar para podermos apoiar este momento critico que passamos", Façanha ressaltou que a cidade ainda não tem casos confirmados ou suspeitos.  

Com um caso confirmado em Sidrolândia, o presidente da Câmara Municipal, Carlos Henrique Olindo (PDT), disse que os vereadores pretendem sim ajudar, mas não deu detalhes sobre valores ou ações. "Não tenho dúvidas que iremos ajudar. Estamos em contato com o secretário de Saúde e o prefeito Marcelo Ascoli".  

Em Jardim o presidente do Legislativo, Vlademir Ferreira (PT), divulgou que duou R$ 100 do duodécimo para a prefeitura. "Solicitamos que o recurso seja utilizado para aquisição de cestas básicas para as famílias mais vulneráveis da nossa cidade. Comuniquei também a suspensão de verbas indenizatórias e diárias   durante vigência do decreto de calamidade", destacou.  

Com um caso confirmado em Ponta Porã, fronteira com o Paraguai, o prefeito Hélio Peluffo (PSDB), disse que até o momento a Câmara Municipal não manifestou sobre doações. "Ano passado devolveram R$ 1,7 milhão e esse ano o presidente já informou que esse ano vai devolver também. No momento estamos custeando ações com recursos da saúde, próprios".  

Iniciativa privada

Um grupo que se auto-intitula Guardiões da Vida, reúne empresários, médicos, administradores e outros representantes da sociedade civil, que se mobilizaram para ajudar no combate ao Covid-19. A primeira ação do grupo foi espalhar por Campo Grande outdoors com orientações sobre a prevenção.

Em um segundo momento o grupo decidiu coletar sabonetes para atender as famílias e bairros mais carentes da Capital, para isso eles montaram uma estratégia.  

“Vamos aos bairros com um carro de som na frente e uma caminhonete atrás. O carro vai pedir as doações e as pessoas podem deixar os sabonetes nas calçadas que a equipe, devidamente protegida com luvas e máscara, recolhe esse sabonete. Ou a própria pessoa coloca o produto dentro da caminhonete para que não haja contato”, explicou o empresário Ricardo Nantes.

O grupo preparou um vídeo, que circula na internet, chamando as pessoas a participarem da campanha que deve começar amanhã. 

(Colaborou Súzan Benites)


Crédito imagem: Divulgação Assessoria

Crédito matéria: Da Redação com Assessoria